Sobre o WhatsApp e as eleições

O WhatsApp é um serviço de mensagens privadas dedicado a ajudar nossos usuários a conversar livremente. Nós acreditamos que instituições democráticas protegem esse direito e mantemos uma equipe exclusiva para evitar abusos com base em três máximas:
  1. Manter o caráter privado do WhatsApp
  2. Impedir o uso abusivo do WhatsApp
  3. Empoderar os usuários para combater a desinformação
O WhatsApp funciona de maneira diferente das redes sociais públicas e nossa missão é fornecer um serviço de mensagens privadas. Por exemplo, nosso serviço não foi desenvolvido para ser uma plataforma que busca aumentar sua base de usuários e não utiliza algoritmos para determinar a ordem das mensagens que nossos usuários recebem. Geralmente, as pessoas utilizam o WhatsApp para se comunicar com quem elas já conhecem.
Atualmente, mais de 90% das mensagens trocadas no WhatsApp são enviadas em conversas individuais. A maioria dos grupos do WhatsApp tem menos de 10 participantes e não é possível pesquisar por grupos nem por usuários no nosso app.
Manter o caráter privado do WhatsApp
Criptografia de ponta a ponta: o WhatsApp utiliza a criptografia de ponta a ponta por padrão para proteger conversas contra hackers, criminosos e outras ameaças cibernéticas. Especialistas em eleições afirmam que fornecer uma segurança rigorosa é essencial para proteger as mensagens que as pessoas enviam e recebem, incluindo discursos políticos e conversas sobre candidatos e suas campanhas eleitorais.
Limites de encaminhamento: o WhatsApp é uma das poucas empresas de tecnologia que, intencionalmente, limita o encaminhamento de conteúdo para apenas cinco conversas por vez. Essa medida reduziu o encaminhamento de mensagens no WhatsApp em mais de 25%.
Limites mais rígidos para mensagens virais: os limites para mensagens encaminhadas com frequência são ainda mais rígidos. Essas mensagens são identificadas com uma etiqueta de setas duplas
para indicar que elas não foram criadas por quem as enviou e podem ser encaminhadas para apenas uma conversa por vez. Essa medida reduziu a viralização desse tipo de mensagens em mais de 70%.
Denúncias e bloqueios: no WhatsApp, ao contrário do que acontece com as mensagens SMS tradicionais, os usuários podem denunciar e bloquear contas caso recebam mensagens abusivas ou indesejadas. Nós banimos a grande maioria das contas abusivas utilizando um sistema de detecção automática. Porém, as denúncias feitas por usuários nos ajudam a identificar contas que enviam mensagens em massa ou fazem uso abusivo do WhatsApp de outras formas, além de nos ajudar a conduzir investigações para prevenir danos.
Impedir o uso abusivo do WhatsApp
Banimento de mensagens em massa: o WhatsApp tem uma tecnologia de ponta para detectar mensagens indesejadas (spam) que funciona 24 horas por dia para identificar contas com comportamentos anormais para que elas não possam ser utilizadas para disseminar mensagens indesejadas ou incorretas. Lançamos um artigo técnico que descreve detalhadamente como o WhatsApp combate esse tipo de uso abusivo. Por mês, nós banimos mais de 2 milhões de contas, e 75% delas são detectadas por nosso sistema automatizado, que impede o uso abusivo do WhatsApp antes mesmo que nossos usuários denunciem as contas.
Prevenção contra o uso abusivo de grupos: desenvolvemos uma configuração de privacidade para que os usuários possam decidir quem pode adicioná-los a grupos. Essa mudança evita que as pessoas sejam adicionadas contra a sua vontade a grupos que possam ter sido criados para enviar mensagens em massa. Contamos com a tecnologia de aprendizado de máquina para impedir que contas tentem criar grupos em massa para enviar mensagens a usuários.
Instrução a partidos políticos: antes das eleições, o WhatsApp informa aos partidos políticos que o envio de mensagens no WhatsApp sem o consentimento dos usuários pode resultar no banimento de suas contas. Para saber mais sobre nossa abordagem a respeito da segurança e a importância de utilizar o WhatsApp de forma responsável, leia este artigo.
Empoderar os usuários para combater a desinformação
Etiquetas de encaminhamento: o WhatsApp usa etiquetas para identificar mensagens encaminhadas e mensagens encaminhadas com frequência. Esses indicadores ajudam nossos usuários a saber quando uma mensagem recebida não foi criada pelo contato que a enviou e pode conter informações intencionalmente incorretas.
Pesquisa na internet: o WhatsApp oferece uma maneira simples de verificar na internet a veracidade de mensagens encaminhadas com frequência. Ao tocar ou clicar na lupa exibida ao lado de uma mensagem, os usuários podem carregar essa mensagem em um navegador e encontrar notícias ou outras fontes de informação sobre o conteúdo recebido.
Checagem de fatos: firmamos parceira com a Aliança Internacional de Checagem de Fatos (IFCN) para disponibilizar a checagem de fatos diretamente no WhatsApp, por meio da troca de mensagens protegidas com a criptografia de ponta a ponta. Durante as eleições nos Estados Unidos, os usuários podem enviar mensagens para FactChat para obter mais informações.
Parcerias e campanhas educativas: incentivamos nossos usuários a avaliar as mensagens que recebem e a verificar os fatos em fontes oficiais confiáveis. O WhatsApp lançou campanhas educativas em grande escala para ajudar a combater a disseminação de boatos e notícias falsas em diversos países, como “Compartilhe alegria, não rumores”.
Registro de eleitores e informações sobre votação: incentivamos o engajamento cívico para que as pessoas possam exercer seus direitos democráticos. Em alguns países, os cidadãos precisam registrar-se antes das eleições para expressar sua intenção de votar. Nos Estados Unidos, o WhatsApp firmou parceria com a organização não governamental e não partidária Vote.org, que incentiva a participação dos cidadãos nas eleições. Ao enviar mensagens para a Vote.org no WhatsApp, nossos usuários podem obter informações sobre como registrar-se para votar e sobre a votação por correio, além de poder entrar em contato com especialistas em proteção ao eleitor.
Isto foi útil?
Sim
Não